Você entende - de verdade - como funciona o crédito rotativo?

Ele é tão comum no dia a dia das pessoas, mas ainda gera muitas dúvidas

Na hora do aperto, principalmente no final do mês, o cartão de crédito se torna uma opção de compra bastante utilizado, contudo, pode ser também um vilão se não ficarmos de olho no crédito rotativo.

Mas afinal, o que é crédito rotativo? É uma espécie de empréstimo que o consumidor faz quando não paga o valor total da fatura do cartão até o dia do vencimento. O restante que você fica devendo começa a ter juros e é aí que muitas pessoas se enrolam.

Para completar, as taxas de juros variam de banco para banco, podendo chegar a valores altíssimos. Em abril de 2018 a taxa média de crédito rotativo era de 298,57% ao ano, agora em abril de 2019 essa taxa já foi para 328,01%. Atualmente a taxa só é mais baixa que a do cheque-especial. 

Nova regra

Para reduzir o endividamento com o cartão de crédito, em 2017 foram aprovadas as novas regras para o crédito rotativo. A principal delas prevê limitação para o uso, agora o cliente só pode utilizar o crédito rotativo durante 30 dias. Depois disso, o valor deve ser pago integralmente.

Para exemplificar, o exemplo de uma fatura de R$ 1.000,00 financiada na antiga e na nova regra. 

Na regra antiga:

Paga o mínimo todos os meses;

Condições do rotativo: mínimo de 15% do total;

Juros de 15,85% ao mês*;

Total da dívida: R$ 2.481,79;

16,5 meses para pagar.

Na nova regra:

Paga o mínimo apenas no primeiro mês: R$ 150;

Saldo a pagar (com juros e multa): R$ 948,72;

Condições de parcelamento: em 12 parcelas;

Juros de 8% ao mês*;

Total da dívida: 1.510,68;

12 meses para pagar.

Como se livrar e evitar o endividamento* Fonte: Banco Central – As taxas de juros aplicadas são as médias para as modalidades de crédito rotativo e parcelado em fevereiro de 2017.

Mesmo com as novas regras, o crédito rotativo continua sendo perigoso. A dica de ouro é: pague 100% da fatura. Se você pagar o valor completo, não vai ter que pagar juros e estará livre da dívida nos próximos meses. 

Com essa nova regra dos 30 dias, passados eles, o banco pode oferecer opções de empréstimos para os clientes, o Banco Central não definiu regras de taxas de juros ou parcelas. Sendo assim, especialistas recomendam que o cliente não aceite a primeira oferta, que será a mais alta, conforme for negociando, pode fechar um empréstimo ideal para o seu bolso.

Usar o cartão de crédito de forma consciente também é primordial. Fique atento no limite do cartão, nas taxas de juros e nos prazos de vencimento. Se você estiver pagando um empréstimo ou com uma compra parcelada, lembre-se de subtrair este valor dos seus gastos mensais para não haver descontrole.

Muitas vezes, na hora da emergência, um empréstimo pessoal pode ser mais rentável que utilizar o crédito rotativo. Por isso, no site Serasa (https://www.serasaconsumidor.com.br/ecred/area-cliente/pi) é possível fazer uma simulação gratuita de opções de crédito e comparar qual melhor se aplica ao seu momento. 

Tags: cartãodecrédito finanças

Veja mais