Consumo abusivo de álcool mata mais de 3 milhões de pessoas, diz OMS

Acompanhe os principais resultados de estudo anual sobre consumo de álcool conduzido pela Organização Mundial de Saúde

A Organização Mundial de Saúde – OMS produz anualmente um relatório global sobre o consumo de álcool. Na edição deste ano, os números, como de costume, não são nada animadores.

O consumo abusivo dessa substância, somente em 2016, teria sido responsável pela morte de mais de 3 milhões de pessoas. Nesse caso, os dados dão conta de acidentes automobilístico provocados por motoristas embriagados, lesões graves no fígado e no trato digestivo, além de doenças ligadas à degeneração de neurônios.

Você vai poder acompanhar mais detalhes sobre esse relatório. Não deixe de conferir!

Tendência global de crescimento do consumo de álcool

Atualmente, 2,3 bilhões de pessoas em todo mundo consomem álcool regularmente. Isso representa quase ? de toda a população do planeta, sendo que a média de ingestão para quem declara fazer uso de alguma bebida diariamente é de 150 ml para o vinho, 750 ml para a cerveja e 50 mil para destilados.

A expectativa da OMS é que até 2025 o consumo per capita de álcool salte de 6,6l para 7l. Esse quadro só seria revertido por uma diminuição drástica nos padrões de consumo em várias regiões do mundo, o que a série histórica do estudo revela ser improvável.

Observando consumo de álcool de forma regionalizada, podemos ver a seguinte disposição:

1° Europa;

2° Américas;

3° Ásia;

4° África;

5° Oceania.

Perfil dos consumidores

Dentre o perfil de consumidores, chama a atenção a estatística de jovens a partir de 15 anos que declaram consumir álcool regularmente. Na faixa etária de 15 a 19 anos, 27% dos respondentes fazem uso de bebidas alcoólicas atualmente, número que vem crescendo ao longo dos últimos estudos.

Por outro lado, os dados também revelaram que mais de 50% de pessoas nessa faixa etária se abstiveram do consumo de álcool pelos últimos 12 meses. Ao mesmo tempo, na Europa, mais de 40% dos jovens também entre 15 e 19 anos são consumidores de bebidas alcoólicas.

As mulheres, por sua vez, em números absolutos, também revelaram consumir mais álcool em relação ao último estudo da OMS, de 2017. O crescimento foi maior, principalmente, no sudeste asiático e pacífico.

Restrição e desincentivo ao consumo

A grande maioria dos países não apresenta em suas legislações dispositivos fortes o suficiente para inibir o consumo de álcool, assim como acontece com o cigarro. Ainda que em alguns casos os produtos sejam sobretaxados, não há nenhum impedimento para oferta, por exemplo, de promoções e descontos mediante à aquisição de grandes volumes de bebida – mecanismos considerados efetivos para desincentivar o consumo.

E você, o que achou do estudo apresentado? O consumo de álcool deve mesmo ser combatido e desincentivado?

Tags: álcool estudo anual saúde

Veja mais